Voar não tem sido muito barato. Com o aumento da inflação e do dólar, o custo da viagem internacional pode ficar mais caro em comparação com outros períodos, mas ainda pode ser reduzido. Há diversas formas de amenizar as despesas com passagens aéreas, bem como tirar proveito delas. Veja a seguir:

Vantagem

– use e abuse dos programas de milhas. Eles convertem crédito para compra de passagens ou produtos de acordo com os pontos acumulados em voos anteriores e consumo com empresas parceiras. Pode-se comprar o bilhete somente com pontos ou pagando parte em dinheiro, o que acaba saindo mais em conta. O Melhor Câmbio fez um post sobre milhas (confira aqui);

– cadastre-se para receber newsletter das companhias aéreas e alertas de promoção nos sites de busca. É uma chance de sair na frente e garantir a passagem a um preço especial;

– busque pelos preços de empresas low-cost, que oferecem serviço mais simples e podem partir de aeroportos secundários para ajudar no preço. Com os buscadores, esse mercado low-cost tem crescido ao longo dos anos assim como a demanda. Neste mês foi criada a primeira aliança entre as empresas neste segmento. É a Ufly, que atua na Ásia-Pacifico e que por enquanto tem quatro membros: HK Express, de Hong Kong, e Lucky Air, Urumqi Air e West Air da China. As conhecidas no Ocidente são EasyJet, Rayanair (Irlanda), Vueling (Espanha) e Air Berlin (Alemanha).

Onde

– os preços costumam ser mais baixos quando se escolhe aeroportos alternativos. A passagem pode ser mais em conta, mas você deve avaliar se o deslocamento até um deles é viável ou não. Há empresas de ônibus fretado em algumas cidades do país que levam os passageiros o aeroporto internacional mais conveniente;

– conforme for sua disponibilidade de tempo, aproveite para fazer um stopover, que é quando você fica mais de 24 horas na cidade de escala/conexão. Há companhias que permitem que você fique na primeira cidade por alguns dias antes de ir para o destino final. Muitas oferecem sem custo, o que é ótimo para aproveitar a viagem e conhecer uma segunda cidade. A opção é viável quando o local que você quer conhecer também é hub aéreo da companhia. Você pode pesquisar nos sites de busca, mas confirme tudo com a companhia se haverá custo ou não. E se houver, avalie se o preço compensa. Em uma pesquisa no site da Edream, um voo direto do Rio de Janeiro para Londres (ida e volta) saía a 983. Já voos do Rio para Lisboa e de lá para Londres (e volta de Londres para o Rio) saía a 952. Faça sua busca no Priceline, Kayak, Zupper, Submarino Viagens e Skyscanner, entre outros.

Pesquise e pesquise de novo

– na busca por preços, observe as informações sobre viajar alguns dias antes ou depois e a diferença de valor entre eles, assim como o tempo de antecedência. O site Viajanet criou a ferramenta Quando viajar. Você seleciona o destino que quer visitar e ele informa a média de preço, em que mês há mais oferta de passagens para o local, qual a companhia mais em conta, o dia da semana e quanto você economiza escolhendo estas opções;

– pesquise em mais de um site de busca de preços, pois os convênios das companhias com os sites podem ser diferentes. Por mais que os sites de busca sejam uma “mão na roda” na hora de encontrar o melhor preço, vale a pena comparar com o site da própria companhia. Quando escolher as datas e o horário, confira ambos para identificar são não há taxação da empresa quando se compra fora do site dela, como é o caso da Lufthansa e da AirFrance-KLM;

– viajantes (e pesquisadores de preços) mais experientes dizem que as companhias monitoram a sua busca frequente por determinado destino e faz com que o preço seja cada vez maior conforme o seu nível de procura. Para evitar, limpe os cookies para que ninguém rastreie sua navegação;

– o parcelamento da compra varia conforme a empresa. Neste caso, vale pesquisar com agências de viagem – físicas e online – quais as formas de pagamento que oferecem. Vale conciliar a compra da passagem com hospedagem e ver se sai mais em conta para quem precisa parcelar. E fique de olho na cobrança de juros ou o parcelamento será mau negócio.

O melhor momento

– embarque durante a semana, porque de sexta a domingo são os dias mais procurados por turistas e quem viaja a negócio;

– o melhor dia da semana para comprar passagens é às terças-feiras, segundo o Airline Reporting Corporation (ARC), quando os preços devem ser melhores;

– para ver diferença no preço, a sugestão é adquirir o bilhete aéreo com pelo menos um mês de antecedência para roteiro nacional e dois meses para internacional.

Nacional

A retração na economia brasileira tem afetado diversos setores. A aviação aérea no país é um deles. Em novembro de 2015, a demanda do transporte doméstico teve retração de 7,9% segundo a Associação Brasileira das Empresas Aéreas. As companhias andam em processo de acerto de reajustes de benefícios e salários dos funcionários durante o período de instabilidade político-econômica. A facilidade de pagamento das passagens aéreas e eventuais promoções tem ajudado a manter a clientela.

Geralmente o parcelamento pode ser feito em até 5 vezes sem juros e, caso queira mais parcelas, há cobrança de juros, mas podem chegar em até 10 vezes. E para atender a essa fatia de facilidade de pagamento no mercado que a consolidadora de passagens aéreas GapNet criou a Vai Voando, que vende bilhetes pré-pagos há seis anos. O diferencial é que os clientes podem parcelar a compra em até 12 vezes sem juros no carnê, sem a necessidade de comprovação de crédito. De acordo com o diretor da empresa, Luiz Andreaza, o índice de inadimplência fica abaixo do mercado porque o cliente só viaja depois de pagar pela passagem, o oposto do que ocorre com outras empresas. Caso atrase o pagamento, corre o risco de perder o bilhete. O foco da empresa é de moradores de periferias, favelas e comunidades, que viajam mais por necessidade de ver familiares que moram em outros estados.

O objetivo é fazer com que esse público que sempre viajou de ônibus possa fazer isso de avião, adicionando-os ao mercado aéreo, que ainda é muito dependente do corporativo. Ou seja, levamos uma solução prática para as companhias aéreas, sem disputar os clientes tradicionais,

comenta o diretor da Vai Voando. Por enquanto a atuação é no território nacional, com parceria da Azul, Avianca, GOL e TAM. A expectativa de Andreaza é de vender passagens para a América do Sul e Orlando, nos Estados Unidos. A venda das passagens é feita em estabelecimentos parceiros nos bairros do público-alvo, como papelarias, ótica, corretora, lan house, lotérica e loja de móveis, entre outros pontos.